PESQUISA  
 
Nesta Edição
Todas as edições


CAPA

PÁGINA 3
Editorial


PÁGINA 4 e 5
Ensino médico


PÁGINA 6
Eleição do Cremesp 2018


PÁGINA 7
Entrevista - Rodrigo Serra Pereira


PÁGINAS 8 e 9
Ressonância


PÁGINA 10
Agenda da presidência


PÁGINA 11
Instituição de Saúde - Hospitais da Fundação Padre Albino


PÁGINA 12
Eu, médico


PÁGINA 13
São Paulo


PÁGINA 14
Convocações


PÁGINA 15
Bioética


PÁGINA 16
Saúde pública


GALERIA DE FOTOS



Edição 358 - 05/2018

PÁGINA 12

Eu, médico


Pediatra diz que falta de atenção primária contribui para casos de violência nos serviços

“A população precisa exigir mais dos administradores da Saúde”


Perlato: "quando atendo pacientes com dificuldades especiais, eles ficam orgulhosos por seu médico ser cadeirante"

A Pediatria no Brasil deixa a desejar na atenção primária, faltando orientações básicas para as famílias sobre doenças que podem evoluir para casos graves quando não tratadas. Esta é avaliação do pediatra Osvaldo Perlato, que há 30 anos atua em Unidades Básicas de Saúde (UBS) e foi diretor do Hospital Regional de Ferraz de Vasconcelos - Dr. Osíris Florindo Coelho, além de ter chefiado a UBS Líder I, em Itaquera.

“Antes havia mais médicos atendendo a população. Não falta tecnologia, equipamentos ou leitos, o que falta é atendimento primário”. Perlato opina que essa falta é a que gera superlotação em serviços e o aumento da violência contra os profissionais. “As agressões existem principalmente em serviços de urgência, porque todos acham que seu caso é o pior e chegam com vários problemas acumulados, por falta de acompanhamento ambulatorial”, analisa. Segundo ele, devido à dificuldade de consultas, o paciente quer que todos os problemas acumulados sejam resolvidos de
uma vez.

Para Perlato há uma nítida polarização entre o sistema público e privado de saúde e, por isso, “a população precisa exigir mais dos administradores da Saúde”, como melhor atendimento nos locais onde moram.

Poliomielite na infância
Quando tinha 11 meses de idade, o médico foi diagnosticado com poliomielite. Em sua infância, usou aparelhos ortopédicos; depois, bengala e, hoje, por conta de comorbidades, necessita do auxílio de cadeira de rodas. Como apoio da família, formou-se em 1985, pela Faculdade de Medicina de Itajubá, em Minas Gerais. Especializou-se em Pediatria pelo Hospital São Paulo e, mais tarde, fez pós-graduação em Geriatria.

Para ele, ser médico é ser útil para alguém. “Não são todas as doenças que a Medicina consegue tratar. Às vezes, orientar e acompanhar um doente já melhora seu estado geral”, ensina. “Quando atendo pacientes com dificuldades especiais, eles ficam orgulhosos por seu médico ser cadeirante”. Considera a atuação na Pediatria uma dádiva. “É gratificante ver o reconhecimento dos pacientes quando você já não lembra mais daquela criança que cresceu”.

Casado com Solange, sua “grande companheira” e mãe dos três filhos do casal: Piero, Paolo e Bruna – a caçula que já o presenteou com o neto Enzo.


Jovens médicos

Programas ainda não se adaptaram às novas regras para Residência Médica em Pediatria

A maioria dos programas de Residência Médica em Pediatria ainda não se adequou à
nova matriz curricular proposta pela Comissão Nacional de Residência Médica (CNRM),
vinculada ao Ministério da Educação (MEC), por meio da Resolução 1/2016.

As mudanças estabelecem o aumento da duração dos programas de Residência para Pediatria, de dois para três anos. Determinam, ainda, que as instituições têm até o fim de 2018 para adequarem seus serviços. No caso da especialização na área de UTI Pediátrica, o tempo aumenta para cinco anos.

“A maior dificuldade está nas instituições, que não têm um campus de estágio completo, com todas as subespecialidades necessárias para a complementação de mais um ano na formação. Além disso, elas não dispõem de recursos para esse aumento de gastos”, afirma Guilherme Andrade Peixoto, presidente da Associação de Médicos Residentes do Estado de São Paulo (Ameresp).

De acordo com Cláudio Barsanti, presidente da Sociedade de Pediatria de São Paulo (SPSP), uma das preocupações é que, com o aumento no tempo da Residência,
alguns serviços sejam reduzidos. “Algumas instituições, por não conseguirem comportar essa mudança, podem reduzir suas vagas de entrada, e, por consequência, o número de pediatras formados”, observa.


 


Este conteúdo teve 306 acessos.


CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE SÃO PAULO
CNPJ: 63.106.843/0001-97

Sede: Rua Frei Caneca, 1282
Consolação - São Paulo/SP - CEP 01307-002

Delegacia da Vila Mariana:
Rua Domingos de Moraes, 2187 - cj. 223 - Edifício Xangai
Vila Mariana – São Paulo/SP - CEP 04035-000

CENTRAL DE ATENDIMENTO TELEFÔNICO
(11) 4349-9900 (de segunda a sexta feira, das 8h às 20h)

HORÁRIO DE EXPEDIENTE PARA PROTOCOLOS
De segunda a sexta-feira, das 9h às 18h


ESTACIONAMENTOS : NOVOS CONVÊNIOS

CONTATOS

Regionais do Cremesp:

Conselhos de Medicina:


© 2001-2018 cremesp.org.br Todos os direitos reservados. Código de conduta online. 202 usuários on-line - 306
Este site é melhor visualizado em Internet Explorer 8 ou superior, Firefox 40 ou superior e Chrome 46 ou superior