Busca
Classificação de assuntos:

Pesquisa por palavra-chave:


Últimas Notícias
  • 28-01-2022
    Covid-19
    Câmara Temática de Vacinação e Imunização do Cremesp emite parecer técnico favorável à vacinação de crianças
  • 27-01-2022
    Aplicativo do Cremesp
    Agora disponibiliza Prescrição Eletrônica e Clube de Benefícios
  • 21-01-2022
    Ação judicial
    Cremesp leva desembargador federal ao Conselho Nacional de Justiça e Corregedoria por liminar concedida a dentistas
  • 21-01-2022
    Proteção de dados
    Cremesp lança política de privacidade sobre informações de médicos
  • Notícias


    18-05-2012

    Renato Azevedo

    Muito além dos honorários


    “Condutas das operadoras causam agonia e humilhação aos pacientes, que retornam aos nossos consultórios após negada  a autorização para concretizar o que prescrevemos”

    O movimento dos médicos por melhores honorários na saúde suplementar, que ocupou novamente as ruas em todo o Brasil, no dia 25 de abril, exibe uma pauta urgente, que já é conhecida por todos.

    Diante de uma agência reguladora omissa quanto à relação entre médicos e operadoras, está na hora de começarmos também a denunciar os abusos cometidos na assistência prestada, que trazem consequências negativas tanto para médicos e pacientes.

    São várias as condutas das operadoras causadoras de agonia e humilhação aos pacientes, que retornam aos nossos consultórios após negada a autorização para concretizar o que prescrevemos. Por exemplo, as metas de glosas e protocolos que são implementados para diminuir o custo assistencial.

    Desde a lei 9656, de 1998, o mercado de planos de saúde tem se ocupado em encontrar brechas e alternativas para perpetuar o negócio altamente lucrativo. A onda mais recente combina a atuação de grandes corretoras atravessadoras com a proliferação de planos baratos de rede credenciada, insuficiente em quantidade e qualidade.

    E quais são as alternativas para manter o custo assistencial baixo? Verticalização por meio de serviços próprios, precarização do vínculo de emprego do médico, glosas, meta de realização de exames (especialmente os de alto custo) e criação de protocolos clínicos sem considerar evidências científicas (o que ocorre, sobretudo, nos serviços próprios).

    Juntamente com a questão do vínculo empregatício, assistimos à precarização da assistência e da relação médico-paciente. A qualidade da Medicina, a resolutividade da prática médica e o retorno do nosso trabalho tornam-se igualmente precários.

    Somente nós, médicos, podemos mudar a situação, não aceitando tais imposições. O Cremesp, além de integrar o movimento das entidades médicas, ao tomar conhecimento das arbitrariedades, toma medidas cabíveis contra os responsáveis técnicos das operadoras. Em recente publicação do Conselho – Os Médicos e os Planos de Saúde –, levamos orientações a médicos e pacientes sobre como agir perante os abusos.

    Para exercer a Medicina com honra e dignidade, o médico precisa ser remunerado de forma justa, mas também necessita de boas condições de trabalho para agir com o melhor de sua capacidade em benefício do paciente. Essa é a essência dos princípios fundamentais do Código de Ética de Médica, que vem sendo insistentemente violado pelas empresas de planos de saúde. 


    Renato Azevedo Júnior é presidente do Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo


    Publicado no Editorial do Jornal do Cremesp nº 292 - Maio 2012


    Tags: operadoras de saúdeplanoshonoráriosconsultasautonomiasaúde suplementar.

    Veja os comentários desta matéria


    A mercantilização da medicina já é estratégia antiga aqui no Brasil. Em 1984, o orador da minha turma de médicos já falava que o médico estava sendo esmagado pelas engrenagens da indústria da doença. Esta estratégia vem progredindo esponencialmente desde então. Dois braços mais recentes desta estratégia são a proliferação de cursos de medicina para aumentar a oferta barateando a mão de obra e a abertura de capital das operadoras e hospitais, que, com isso, se vêem obrigadas a aumentar a margem de lucros para satisfazer a ganância dos donos e, agora, dos acionistas. Discordo do colega missivista, pois está provado que só o médico não conseguirá reverter esta estratégia. São necessárias medidas regulatórias mais rígidas que visem impedir a transformação do processo saúde-doença em commodity.
    rubens

    Deixe o seu comentário

        Dê sua opinião sobre a matéria acima em até mil caracteres. Não serão publicados  textos ofensivos a pessoas ou instituições, que configurem crime, apresentem conteúdo obsceno, sejam de origem duvidosa, tenham finalidade comercial ou sugiram links, entre outros.  Os textos serão submetidos à aprovação antes da publicação, respeitando-se a jornada de trabalho da comissão de avaliação (horário de funcionamento do Cremesp, de segunda à sexta-feira, das 9 às 18 horas). O Cremesp reserva-se o direito de editar os comentários para correção ortográfica.  Os  usuários deste site estão sujeitos à política de uso do Portal do Cremesp e se comprometem a respeitar o seu Código de Conduta On-line.

    De acordo.


    Este conteúdo teve 336 acessos.


    CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE SÃO PAULO
    CNPJ: 63.106.843/0001-97

    Sede: Rua Frei Caneca, 1282
    Consolação - São Paulo/SP - CEP 01307-002

    CENTRAL DE ATENDIMENTO TELEFÔNICO
    (11) 4349-9900 (de segunda a sexta feira, das 8h às 20h)

    HORÁRIO DE EXPEDIENTE PARA PROTOCOLOS
    De segunda a sexta-feira, das 9h às 18h

    CONTATOS

    Regionais do Cremesp:

    Conselhos de Medicina:


    © 2001-2022 cremesp.org.br Todos os direitos reservados. Código de conduta online. 137 usuários on-line - 336
    Este site é melhor visualizado em Internet Explorer 8 ou superior, Firefox 40 ou superior e Chrome 46 ou superior